Professor Marcelo Eustáquio
Compartilhe

A divulgação do resultado preliminar da prova discursiva da São Paulo Previdência (SPPREV) está próxima e deve ocorrer nas próximas horas. Após a divulgação, será aberto o prazo para recurso contra o resultado preliminar da prova discursiva. Nessa fase, você pode:

– Melhorar a nota da sua prova discursiva;

– Ganhar algumas colocações; e/ou

– Deixar de perder algumas posições.

Porém, a Banca FCC tem algumas particularidades e conhecer essas particularidades é extremamente importante para essa fase de recurso. Considerando isso, montei esse artigo com o seguinte tema:

DICAS P/ ELABORAR O RECURSO DO SPPREV (FCC)

É muito importante que você fique atento às informações deste artigo!!! Afinal, você só será beneficiado se entrar com o seu próprio recurso!

A Banca Fundação Carlos Chagas (FCC) permite que o candidato interponha recurso individual contra o resultado preliminar da prova discursiva diretamente no site.

É a única fase em que a majoração não é atribuída a todos os candidatos, mas tão somente àquele que recorreu do resultado. Por isso, trata-se de um recurso INDIVIDUAL.

Esse ponto é de fundamental importância. Não adianta interpor um recurso genérico. Se o seu recurso ficar igual ao de outro candidato, a banca não vai ler nenhum dos dois. Por isso, já seguem 3 alertas:

1) Não copie o recurso de outro candidato;
2) Não forneça o seu recurso para ninguém;
3) Seja bem específico e direto na sua argumentação!

Se você não sabe como ser específico na argumentação, continue lendo esse artigo. Vou te dar dicas de como fazer isso mais à frente! Para facilitar, dividi o artigo em 3 partes essenciais:

• Importância do recurso;
• Entendendo o espelho de correção;
• Características essenciais de um recurso.

IMPORTÂNCIA DO RECURSO

Muitos candidatos não se atentam a essa fase do recurso, pois mal sabem da importância dela.

Essa é a uma das poucas fases em que o candidato tem a oportunidade de ganhar nota.

E esse ganho de nota costuma alterar significativamente a classificação de alguns candidatos.

E isso acontece muito! É muito comum candidatos serem convocadas graças às posições que ganharam depois do deferimento de seus recursos.

Deixe-me mostrar casos de sucesso de recursos que fiz para alguns alunos:

Bom dia, professor Marcelo!

Saiu hoje o resultado final da discursiva. Minha nota subiu de 11,21 para 32.88 pontos! Impressionado aqui!!

Agradeço de coração pelo ótimo serviço prestado! O recurso realmente ficou muito bem feito e isso se confirma pelo resultado obtido!

Obrigado mesmo!!!

Saul Raposo – Banco do Nordeste /2018 – CESPE

Professor Marcelo,

Esta é a segunda vez que contrato o serviço do Você Concursado. Os dois concursos eram de âmbito federal e extremamente competitivos.

No primeiro estava sendo eliminada, mas graças a ajuda dessa equipe voltei para o jogo.

O segundo foi o concurso da PF. Ganhei 1 ponto e subi 7 posições.

Levando em considerações as etapas subsequentes do certame, não tenho dúvida que essa majoração na nota me colocará dentro das vagas.

Obrigada.

Não há preço que pague a realização de um sonho.”

Rayane Teles – Polícia Federal /2018 – CESPE

Professor, essa majoração de nota também acontece em provas da FCC?

Essa é uma pergunta muito pertinente. Ao contrário de outras bancas examinadoras, a FCC costuma ser bem criteriosa e intransigente nessa fase de recurso.

Com a experiência de anos que tenho nessa fase do concurso, foram poucos os casos de majoração.

Inclusive, em alguns concursos, a Banca não concedeu pontos para nenhum candidato.

Trata-se de um posicionamento, de certa forma, arrogante da Banca.

Afinal, não deferir nenhum recurso significa dizer que todas as notas estão corretas.

Porém, humanamente falando, é impossível que em um concurso com mais de 910 redações corrigidas todas as correções estejam 100% corretas.

Como é de se esperar, cada examinador tem uma visão de prova: uns são mais rígidos, outros mais flexíveis.

Ao final, essa diferença de perfil entre os examinadores acaba impactando nas notas, gerando variação no total de pontos concedidos.

Então, há sim uma margem de erro relacionada à correção das provas discursivas e é por esse motivo que existe a fase de recurso.

Diante de tais fatos, vários candidatos têm reclamado junto à Banca e junto à Justiça para que a Banca FCC mude a sua forma de avaliar os recursos.

Acredito que aos poucos isso venha a acontecer.

Pode ser, inclusive, que a banca passe a acatar mais recursos justamente nesse seu concurso!

ENTENDENDO O ESPELHO DE CORREÇÃO

No concurso do SPPREV, a FCC aplicou 2 estilos de prova: a dissertação argumentativa para o cargo de analista e o texto dissertativo-argumentativo para técnicos.

Porém, o edital não especificou diferenças quanto a forma de avalia-los.

Nesses estilos de redação, o Espelho de Correção é dividido em 3 partes: Conteúdo, Forma e Expressão.

Cada um desses critérios possui aspectos avaliativos que serão usados para gerar a sua nota final. Observe como é o Espelho de Correção:

a. Conteúdo – até 5 (cinco) pontos:

a) fundamentação e adequação dos argumentos ao tema proposto;
b) capacidade de análise e senso crítico;
c) clareza e coerência na seleção de argumentos em defesa de ponto de vista relacionado ao tema;

A nota será prejudicada, proporcionalmente, caso ocorra abordagem tangencial, parcial ou diluída em meio a divagações e/ou colagem de textos e de questões apresentados na prova.

b. Estrutura – até 4 (quatro) pontos:

a) respeito ao gênero solicitado;
b) progressão textual e encadeamento de ideias;
c) articulação de frases e parágrafos (coesão textual).

c. Expressão – até 1 (um) ponto:

A avaliação da expressão não será feita de modo estanque ou mecânico, mas sim de acordo com sua estreita correlação com o conteúdo e a estrutura, considerando-se:

a) desempenho linguístico de acordo com o nível de conhecimento exigido para o Emprego Público;

b) adequação do nível de linguagem adotado à produção proposta e coerência no uso;

c) domínio da norma culta formal, com atenção aos seguintes itens: estrutura sintática de orações e períodos; propriedade vocabular; concordância verbal e nominal; pontuação; regência verbal e nominal; emprego de pronomes; flexão verbal e nominal; uso de tempos e modos verbais; grafia e acentuação.

Na aferição do critério de correção gramatical, por ocasião da avaliação do desempenho na Prova Discursiva–Redação a que se refere este Capítulo, deverão os candidatos valer-se das normas ortográficas em vigor, implementadas pelo Decreto Presidencial nº 6.583, de 29 de setembro de 2008, e alterado pelo Decreto nº 7.875, de 27 de dezembro de 2012, que estabeleceu o Acordo Ortográfico da Língua Portuguesa.

Professor, mas como o examinador vai saber que respondi corretamente?

Conteúdo

No primeiro aspecto, que é “perspectiva adotada no tratamento do tema”, a banca FCC vai buscar na introdução do seu texto o tema e a tese.

Vai verificar se você abordou o tema integral ou parcialmente, bem como se a tese, de fato, está relacionada ao tema.

Acerca do segundo aspecto (capacidade de análise e senso crítico em relação ao tema proposto), a Banca analisará os argumentos que selecionou para defender a sua tese, isto é, os argumentos principais do desenvolvimento.

Por fim, quanto à consistência dos argumentos, clareza e coerência no seu encadeamento, a banca FCC vai procurar os argumentos secundários.

Ora, se no seu parágrafo de desenvolvimento você apresentou um argumento principal, ele deve possuir consistência.

Essa consistência se dá por meio do emprego de argumentos secundários. O candidato pode usar exemplos, conceitos, causas e efeitos etc.

técnica utilizada não é pré-determinada; o importante é que os argumentos devem ser claros, inquestionáveis e reforçar a tese.

Estrutura

Esse é um dos quesitos com maior possibilidade de majoração da nota com o recurso.

A banca costuma acatar bem os recursos que questionam a nota desse critério.

A respeito do gênero solicitado, o texto dissertativo é dividido em introdução, desenvolvimento e conclusão.

No entanto, não adianta ter o texto dividido corretamente, é preciso que cada parágrafo cumpra com sua função considerando as características da dissertação.

Além disso, a linguagem deve ser informal e enfatizar a opinião do autor.

A progressão de ideias e a articulação de frases e parágrafos (Coesão textual) avaliam a capacidade do candidato de relacionar os argumentos com a conclusão do texto, demonstrando uma lógica de ideias.

No recurso, o seu trabalho é demonstrar ao examinador que atendeu às características de um texto dissertativo.

Expressão

A expressão também costuma ser um critério em que o examinador comete muitos erros e acaba diminuindo a nota do candidato injustamente.

Logo, se acha que foi penalizado por erro de correção, vale muito a pena entrar com o recurso.

Em suma, nesse critério, a FCC avalia os aspectos Macroestruturais do texto: o nível de escrita e os erros de gramática.

CARACTERÍSTICAS ESSENCIAIS DE UM RECURSO

Vale a pena fazer recurso e isso é fato! Porém, não adianta elaborá-lo de qualquer maneira.

Há algumas regras e dicas que você deve seguir para não ter seu recurso indeferido antes de chegar nas mãos do examinador.

A seguir, vamos analisar algumas características essenciais de um recurso, levando em conta o Edital da FCC:

1º) O recurso deve ser individualizado

O recurso individualizado é aquele único, sem qualquer similaridade com outros recursos.

Para isso, é necessário fazer referências diretas ao seu texto. Essas referências podem ser citação de trechos do texto ou indicações de linhas.

Para ficar mais fácil de entender, vou mostrar um exemplo do que você NÃO deve fazer:

Halliday e Hasan (1976) dizem que a coesão tem a ver com o modo como o texto está estruturado semanticamente. É, portanto, um conceito semântico que se refere às relações de significado que existem dentro do texto e fazem dele um texto e não uma sequência aleatória de frase. A coesão é a relação semântica entre dois elementos do texto, de modo que um deles tem de ser interpretado por referência ao outro, pressupondo-o.

Widdowson (1978) diz que a coesão “é o modo pelo qual as frases ou partes delas se combinam para assegurar um desenvolvimento proposicional…” O texto em análise é coeso e se constrói com elementos de ligação são pronomes, verbos, advérbios, conectores coesivos (termos e expressões); e sem sequenciadores, sendo o lugar do conector marcado por sinais de pontuação (vírgula, ponto, dois-pontos, ponto-e-vírgula).

Segundo Koch e Travaglia (1989:13), a coesão é explicitamente apresentada através de elementos linguísticos, indicações na estrutura superficial do texto, sendo de caráter claro e direto, expressando-se na organização sucessiva do texto. Halliday e Hasan (1976 apud Koch & Travaglia, 1989:13)

A explicitação deste ponto citado acima encontra-se em todo o texto.

Muitos candidatos vão achar que esse recurso está excelente, pois conta com bastante embasamento teórico.

Todavia, este é um grande equívoco. Recursos assim não comprovam nada para o examinador.

Em primeiro lugar, parece mais uma aula de coesão e o examinador não precisa que você ensine a ele o que é “coesão textual”.

Em segundo lugar, porque se trata de um recurso genérico e cansativo. Além de não fazer referência em nenhum momento ao texto do candidato, é muito chato de ler.

O examinador vai dormir antes mesmo de chegar no terceiro parágrafo.

Em alguns casos, recursos assim são indeferidos preliminarmente, sem sequer passar pelas mãos do examinador.

2º) O recurso deve ser tempestivo

A Banca FCC é bem rigorosa com o prazo de interposição do recurso.

Após a divulgação do resultado com a nota da prova discursiva, o candidato possui 2 dias úteis para elaborar o recurso: das 8h do primeiro dia até às 23h59 do segundo dia. Exemplo:

Quarta-feira: Resultado da discursiva com as notas.

Quinta-feira: Divulgação da folha de resposta e do espelho de correção e abertura do prazo de recurso.

Sexta-feira: Encerramento do prazo para interposição do recurso às 23h59.

São 2 dias para fazer o recurso e inseri-lo na plataforma do site.

Depois do recurso pronto, você ainda deve contar o tempo que levará para inseri-lo na plataforma da Banca.

Por isso, não é bom deixar para a última hora.

A plataforma de interposição de recurso da Banca FCC não permite o “Ctrl + C e Ctrl + V”.

Logo, se você fizer o recurso no Word, deverá DIGITAR tudo novamente na plataforma da FCC.

Isso pode levar tempo, por isso, não deixe para a última hora: planeje TERMINAR de digitar o recurso com PELO MENOS 1 hora antes do termino do prazo, ok?

3º) No recurso não deve constar nenhuma forma de identificação do aluno

Ao elaborar o recurso, muitos candidatos tem a mania de inserir seus nomes: “ Eu, Fulano de tal, gostaria de recorrer do resultado…”.

Se você fizer isso, terá seu recurso indeferido antes de chegar na mão do examinador. Então, nada de se identificar, ok?

Todavia, não há problema em citar a nota que tirou em determinado critério. Afinal, o objetivo do recurso é contestar a nota atribuída.

4º) O recurso deve ser claro e objetivo

Esse é o grande desafio do recurso. O candidato deve ir direto ao ponto e explicar para o examinador porque sua nota deve ser majorada, sem fazer muitos rodeios.

Os argumentos, no entanto, devem ser claros. Por isso, utilizar uma linguagem simples, técnicas de enumerações e divisão em tópicos ajudam muito.

Antes de enviar seu recurso, pergunte a você mesmo: Se eu tivesse 100 recursos para ler, leria o meu?

Se achar que o seu recurso está cansativo, melhore o texto. Coloque-se sempre no lugar do examinador.

5º) Atenção à linguagem utilizada

A linguagem é muito importante. Trata-se de um texto de natureza individual. Logo, o recurso pode ser escrito de forma impessoal ou na 1ª pessoa no singular (Eu).

Por isso, cuidado! Escrever o recurso na 1ª pessoa no plural (Nós), não cai bem, ok?

6º) Devo contratar um especialista para fazer o meu recurso?

Como se trata de uma fase importante, é comum que os candidatos procurem professores que possuam experiência na elaboração de recursos.

E isso é uma ótima opção, caso tenha recursos financeiros disponíveis ou possua grandes chances de ser convocado no concurso.

Em primeiro lugar, porque o professor tem acesso a várias provas do seu concurso, logo, poderá fazer uma análise mais profunda e entender como a Banca está corrigindo as provas.

Em segundo lugar, porque o especialista tem prática nesse tipo de serviço e sabe como e quais os pontos que devem ser contestados.

Inclusive, possuem modelos de recursos que já deram certo e isso pode fazer toda a diferença.

Por fim, na elaboração de recursos acerca dos aspectos gramaticais, é necessário um conhecimento mais aprofundado da língua portuguesa.

Porém, cuidado na hora de contratar um especialista!

O recurso contra o resultado da prova discursiva deve ser sempre individualizado.

Recursos iguais ou semelhantes serão preliminarmente indeferidos. Isto é, se seu recurso for muito genérico ou igual ao de outro candidato, a Banca nem vai ler.

Possivelmente, vai indeferi-lo antes de encaminhá-lo ao examinador.

Já vi casos em que um professor redigiu o mesmo recurso (genérico) para diversos alunos e entregou-os faltando apenas 1 hora para o encerramento do prazo de interposição do recurso.

Resultado: não havia mais tempo para os alunos refazerem seus próprios recursos, tiveram os recursos indeferidos, gastaram dinheiro e ainda perderam a chance de melhorarem suas classificações no concurso!

Portanto, fique sempre atento ao histórico do professor caso venha a contratar um serviço de recurso, ok?

Bom, espero ter facilitado a sua vida! A equipe do Você Concursado e eu estaremos à disposição para lhe ajudar nesta fase!

Caso tenha alguma dúvida, pode deixar um comentário que terei o maior prazer em responder!

Professor: Marcelo Eustáquio

Caso precise, o Você Concursado disponibiliza o serviço de elaboração de recurso para discursiva.


Compartilhe
0 respostas

Deixe uma resposta

Want to join the discussion?
Feel free to contribute!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *