Professor Bruno Marques

Imagina chegar no dia da prova do concurso de Agente de Segurança Penitenciário da Polícia Penal do Estado de Minas Gerais (PP/MG), organizado pela Banca Selecon e ver que o tema cobrado na prova de redação você já conhece e treinou?!

O sonho de todo candidato é chegar no dia da prova já sabendo qual será o tema que será cobrado na prova de redação.

Ainda mais em um concurso concorrido como o de Agente de Segurança Penitenciário da Polícia Penal do Estado de Minas Gerais (PP/MG), organizado com uma instituição pouco conhecida, como é a Banca Selecon.

É claro que não é fácil acertar previamente qual será o tema cobrado na prova de redação por qualquer banca, ainda mais a Banca Selecon.

Contudo, com a experiência que temos e com um gigantesco banco de provas de redação de concursos anteriores, aumenta a chance de acertamos, como aconteceu no concurso de escrivão da PC/DF, dentre outros.

Então, sem delongas, vamos ver alguns temas de redação inéditos no estilo da Banca Selecon, para o concurso de Agente de Segurança Penitenciário da Polícia Penal do Estado de Minas Gerais (PP/MG).

1º Tema

TEXTO 

A violência mais atendida nas unidades de saúde, contra crianças e adolescentes de 0 a 13 anos, é o estupro, que ocorre na própria casa da vítima em 58% dos casos. Entre aqueles com 10 a 19 anos, a violência sexual é igualmente a mais sofrida, na maioria contra as meninas. 

Os agressores são na maior parte os próprios pais, padrastos, familiares, namorados ou pessoas conhecidas das vítimas 7. Dados mundiais assemelham-se, 90% das adolescentes de diversas nacionalidades, vítimas de violência sexual, denunciam que o autor da primeira violação era alguém próximo ou conhecido. Infelizmente, apenas 1% delas procura ajuda profissional após o estupro pelo medo da rejeição social e familiar, e pelas ameaças sofridas pelo agressor.

O terror aprofunda-se com a repetição do estupro em 38% dos casos, podendo-se prorrogar por torturantes longos períodos, quando praticada por familiares ou outros conhecidos. As consequências vão desde distúrbios emocionais, doenças sexualmente transmissíveis, gravidez não desejada, até a morte da adolescente, que tira sua própria vida ou falece na tentativa de um aborto clandestino.

(Disponível em: https://www.abrasco.org.br/site/noticias/posicionamentos-oficiais-abrasco/sobre-a-violencia-contra-criancas-adolescentes-e-jovens-brasileiros/40061/ )

Motivado pela leitura dos textos seguintes, sem, contudo, copiá-los ou parafraseá-los, redija um texto dissertativo-argumentativo com, no mínimo, 20 e, no máximo, 30 linhas, em modalidade e limites solicitados, em norma padrão da língua portuguesa, atribuindo-lhe um título, sobre o tema:

O ESTADO, A FAMÍLIA E A SOCIEDADE DEVEM ATUAR NO COMBATE A VIOLÊNCIA SEXUAL CONTRA CRIANÇAS E ADOLESCENTES?

Para ver o padrão de resposta e a proposta de resolução da redação, clique aqui!

2º Tema

Na América Latina, a violência e o crime organizado associados ao tráfico de drogas constituem um dos problemas mais graves enfrentados pelos países. Trata-se do lugar que mais produz e exporta cocaína no mundo. Também figura como produtora de cannabis, ópio e drogas sintéticas. Os cartéis de drogas representam uma ameaça à saúde pública, à segurança e, consequentemente, ao Estado de Direito e à democracia.

Hoje, a discussão sobre as políticas públicas sobre drogas assume maior importância. Governos e sociedades enfrentam novos desafios. O crime organizado, que tem entre suas bases de sustentação o tráfico de drogas, parece ter ganhado força, criou novas rotas, ameaça a segurança e continua provocando mortes e instabilidade nas regiões onde atua.

As substâncias psicoativas são cada vez mais diversificadas e com efeitos mais potentes. Ao longo dos anos, a forma de consumo de drogas ilícitas também mudou o que requer uma resposta diferenciada. As políticas de repressão ao usuário, por meio do encarceramento, por sua vez, há muito se mostraram ineficazes no tratamento do usuário problemático.

Diante desse cenário, é recorrente o surgimento de propostas simplistas de legalização das drogas como forma de acabar com o crime organizado associado ao tráfico e suas consequências. É fato conhecido que parte considerável dos recursos do crime tem relação direta ou indireta com as drogas ilegais. Afinal, para se sustentar, o crime organizado sempre irá procurar as oportunidades mais rentáveis, independentemente de sua categoria no código penal. Sequestros, tráfico de armas e de pessoas, jogo ilícito, falsificação de medicamentos, contrabando, pedofilia, extorsão, lavagem de dinheiro – todos esses delitos financiam o crime organizado, que também engloba o comércio de drogas, mas que não pode ser colocado como consequência deste.

A discussão sobre as políticas públicas sobre drogas é tão complexa que não pode se limitar à polarização entre legalização ou proibição. Países como Argentina, Brasil, México e alguns estados dos Estados Unidos, têm feito ajustes na legislação sobre drogas para evitar que usuários sejam encaminhados à prisão. Não buscam a legalização de substâncias ilícitas.

https://www.unodc.org/lpo-brazil/pt/imprensa/artigos/2010/25-10-politica-sobre-drogas-acoes-abrangentes.html.

Considerando que o fragmento de texto acima tem caráter unicamente motivador, redija um texto dissertativo-argumentativo acerca do tema a seguir.

COMO O ESTADO PODE ATUAR NO COMBATE ÀO NARCOTRÁFICO E AO CRIME ORGANIZADO?

Para ver o enunciado completo da questão, o padrão de resposta e a proposta de resolução da redação, clique aqui!

3º Tema

Texto 1

Racismo velado não deixa de ser racismo

O comportamento do Marcão do Povo de negar ter feito um comentário racista contra a funkeira Ludmilla é mais comum do que se imagina. Como justificativa, o apresentador, que se referiu à cantora como “pobre macaca”, alegou ter usado uma expressão regional, que não seria relacionada à cor da pele, mas à antiga condição financeira dela.  A justificativa não funcionou. A reação dos internautas foi automática. A hashtag #processaludmilla ficou no topo dos assuntos mais comentados no Twitter e a emissora anunciou o desligamento do funcionário da empresa. 

De acordo com o subsecretário de Igualdade Racial do Distrito Federal, Victor Nunes, a discriminação racial pode ficar apenas no inconsciente, sem necessariamente externalizá-lo. Com isso, as pessoas tendem a pensar que não são preconceituosas.

<Fonte: www.correiobraziliense.com.br>

 Texto 2

Sentia que não fazia parte desse ambiente

Os primeiros meses de aula na faculdade foram os mais difíceis para Juliana do Nascimento Costa. “Eu me sentia desconfortável. Chegava em casa chorando porque não queria estar aqui, não me identificava”, conta ela, que aos 21 anos estuda Cinema na Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro (PUC-Rio), um curso “muito elitista” no qual, segundo diz, os alunos geralmente possuem uma vivência muito diferente da sua: todos viajam para fora do país, falam inglês fluentemente, têm pais que trabalham em grandes empresas e conversam sobre grandes cineastas, músicos e escritores. No início ela nem sabia por que se sentia tão incomodada. Assim como não compreendia por que muitas pessoas pediam informações sobre como conseguir uma bolsa de estudos na universidade, já que no início pagava a mensalidade normalmente — só mais recentemente conquistou uma bolsa.

Costa, que é negra, diz que com o tempo foi percebendo como a cor de sua pele é determinante para que se sinta “um peixe fora d’água” na PUC-Rio, uma das melhores e mais caras universidades do país. “Foi aqui que eu me entendi como uma mulher negra e comecei a entender a importância de estar aqui e de persistir”, explica. Moradora do Recreio, um bairro de classe média da zona oeste do Rio de Janeiro, ela é a primeira mulher de sua família a completar o ensino médio e a segunda pessoa a ingressar no ensino superior — a primeira foi seu pai. Já a instituição em que estuda é a mesma dos futuros advogados, juízes, promotores e defensores públicos que, há poucos anos atrás, cantaram a seguinte música nos Jogos Jurídicos:

Agora a UFRJ se fudeu, se fudeu

O pobre deles não é mais pobre que o seu.

Quer ajuda pro trem? Eu inteiro

Um trocado pro lanche? Eu dou

Aproveita que hoje eu to bonzinho,

To sentindo por você, Congo

No fim do mês a grana vai faltar, vai faltar

Vai no lixão lá da central catar lata!

Canções do tipo eram até pouco tempo frequentes e consideradas como parte da diversão nessa competição esportiva, realizada entre várias universidades.

(…)

<Fonte: https://brasil.elpais.com>

Considerando as ideias precedentes nos fragmentos textuais motivadores apresentados anteriormente, redija um texto dissertativo a respeito do seguinte tema.

O RACISMO VELADO COMO PARTE DO FENÔMENO DA DISCRIMINAÇÃO SOCIAL

Para ver o enunciado completo da questão, o padrão de resposta e a proposta de resolução da redação, clique aqui!

Gostou dos temas de redação inéditos elaborados no estilo da Banca Selecon?

Quer ver mais temas de redação especialmente selecionados para o concurso de Agente de Segurança Penitenciário da Polícia Penal do Estado de Minas Gerais (PP/MG) – Banca Selecon?

Então acesse a seleção de Temas Quentes para esse concurso!

TEMAS QUENTES Polícia Penal MG (Selecon)

Deixe seu comentário se você gostou dos temas de redação e comente também com outro tema de redação que você acha que tem chance de ser cobrado na prova do concurso de Agente de Segurança Penitenciário da Polícia Penal do Estado de Minas Gerais (PP/MG), Banca Selecon.

Se você possui dificuldade com a redação, se matricule no nosso exclusivo Curso de Redação para o concurso de Agente de Segurança Penitenciário da Polícia Penal do Estado de Minas Gerais (PP/MG), Banca Selecon.

Link para participar do Telegran da Academia de Discursivas: https://t.me/academiadediscursivas

Instagram: @prof.brunomarques

Academia de Discursiva: https://voceconcursado.com.br/cursos/academia-de-discursivas/

 

 

0 respostas

Deixe uma resposta

Want to join the discussion?
Feel free to contribute!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *